AVB
Tudo na vida tem o seu primeiro passo. O que vem depois jamais existiria, sem esse primeiro passo. O lampejo mais forte de  revolta e indignação contra a corrupção nasceu em 1.993 quando nós brasileiros começamos a tomar consciência, de forma mais contundente, dos desvios de dinheiro público através do escândalo dos "anões do orçamento".

Porém, como tudo na vida tem seu tempo,  a idéia de fazer algo de concreto em face da corrupção, manteve-se, por quase dez anos,  como um urso polar, ora adormecido e inerte feito superfície de lago, ora latente como o pulsar de um coração.  Nesses momentos, de coração pulsante, o sonho foi delineando e criando formas. A faísca que faltava para levar este sonho adiante estava em um livro, que caiu em nossas mãos, em meados de 2001. Era um livro de Rudolf Von Ihering, intitulado “A Luta Pelo Direito”.

Depois da leitura deste livro nós não tínhamos mais dúvidas: A  indignação teria que se transformar em ação. Porém, uma coisa era muito clara, era preciso  entender  como funcionava toda a estrutura da corrupção e para isso era preciso estudar as leis, para através delas, empunhar a espada  da cidadania. Era preciso conhecer o inimigo, sempre “amoitado  nas esquinas e vírgulas da Lei”.

A decisão foi tomada. Em 2002, enfrentamos um vestibular e  voltamos para o banco escolar  iniciando o longo curso de Direito. O primeiro passo concreto havia sido dado e ainda na Faculdade  começamos a criar o embrião da ONG  que  se chamava “ Movimento Liberta “Brasil”, tendo por objetivo, combater a corrupção ( Veja carta aberta distribuída em panfletos – Link 31). Em 2006, já no  8º período do curso de Direito, como forma de protesto e conscientização, durante um mês, usamos nariz de palhaço dentro da Faculdade e dentro das salas de aula. ( Conheça o Kit Cidadão).

Ainda como parte deste movimento de conscientização, distribuímos, gratuitamente para os alunos e professores, 200   (duzentos livros) de Ihering,  A Luta Pelo Direito,  e enviamos, este mesmo livro, para todos os Ministros do Supremo Tribunal Federal ( Veja Resposta de agradecimento - Link 30 )  e Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, pois acreditamos que, com o tempo, grande parte dos operadores do direito, vão criando uma “casca” natural de distanciamento dos problemas reais da sociedade e passam a aplicar o Direito em detrimento da Justiça,   e com a releitura de “Ihering”, temos a esperança de que grande parte destes operadores do Direito, voltem a sentir aquele “cheiro” de justiça e ternura  tão inerente aos  bancos de faculdades.

Em 2007 terminamos  a Faculdade e  já tínhamos uma lista com 90 ( noventa ) voluntários para  nossa ONG, porém, por absoluta falta de recursos não conseguimos implantar a estrutura necessária para fazer a ONG funcionar e mais uma vez o sonho teve que hibernar.